Bem Vindo ao Meu Mundo Estranho... aqui você não vai encontrar nada que tenha que fazer sentido... pois esta é uma manifestação do meu consciente/inconsciente... id, ego e superego... das minhas alegrias, meus medos, incertezas, loucuras e travessuras... afinal... me disseram que a beleza esta no caos...

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Diário de Bordo - da série Tunel do Tempo Achados na Gaveta 4


Sol e Lua
(Mila na 7ª série...)

A arte de viver é sorrir

é sorrir para a flor
sem cor
Ver o mar azul
Mudar de cor
Virar mar de rosas
rosas bonitas
rosas sentidas
sem cor
na noite
sem pena
sem sentido
sem motivo
de amar
mas aquele abraço apertado
aquele beijo molhado
a manhã brilhou
no mar
as águas vem e não
nas ondas,
ondas do mar
o beijo sentido
sem motivo
na areia molhada da praia
lembrei de você ali
a lágrima sorriu
o vento a levou
não há mais você aqui
o castelinho de areia
na beira do mar
me traz saudades
que enche o peito
do grito sufocado
de amor despedaçado
que um dia voltou
onde o sol brilhou
com a lua
como se fosse jura
jura de amor
solta no ar
você me beija
loucura
como veneno de amar.

8 comentários:

# thiago disse...

e vamo, que vamo sorrindo!!!

lindo texto, milla...

e sobre o selo do meu blog... com certeza vc o merece!

beijos

Cadinho RoCo disse...

O veneno de amar salga o paladar vindo do mais doce beijo.
http://cadinhoroco.loginstyle.com

Girassol disse...

Não sei explicar o motivo, mas desde sempre (e embora tenha pânico de água), tenho fascínio pelo mar. E, acho que nada combina mais com mar, do que amar.
Me lembrei até de um poeminha que adoro, vou partilhar contigo:

Coisa Amar

Contar-te longamente as perigosas
coisas do mar. Contar-te o amor ardente
e as ilhas que só há no verbo amar.
Contar-te longamente longamente.

Amor ardente. Amor ardente. E mar.
Contar-te longamente as misteriosas
maravilhas do verbo navegar.
E mar. Amar: as coisas perigosas.

Contar-te longamente que já foi
num tempo doce coisa amar. E mar.
Contar-te logamente como doi

desembarcar nas ilhas misteriosas.
Contar-te o mar ardente e o verbo amar.
E longamente as coisas perigosas.

Manuel Alegre


Bom dia Milla.
Beijo.

Fabio disse...

Lindo texto, guria!

7ª série, é? Eu na 7ª série não conseguia nem escrever uma frase inteira! ;)

Beijão!

Aline e Marcelo disse...

Olha só que gracinha gente, já era poetisa com uns 14 aninhos.
Nesse tempo o máximo de poesia que eu fazia era aquelas rimas ridículas, achava que pra ser poesia, tinha que rimar tudo! Vai vendo a leseira da garota! rs...

Bjm moça

Aline @-;-

Mélica disse...

Lindo texto, Mila!!
Na 7ª série já com esse talento... :D
Parabéns!
Beijooos e um ótimo dia!

Flávia disse...

7ª série, moça?!

Eu, nessa época, ainda tava numas de rimar coração com pão (rsrsrsrs)...

Talento é uma coisa que vem de dentro, né?

E, baby, tem presente pra vc lá em casa...

Besos!

Erika disse...

uau... magina depos da 7ª?

adorei sua visita no oncoto.. volte sempre... eu com certeza voltarei aqui sempre.

beijooo