Bem Vindo ao Meu Mundo Estranho... aqui você não vai encontrar nada que tenha que fazer sentido... pois esta é uma manifestação do meu consciente/inconsciente... id, ego e superego... das minhas alegrias, meus medos, incertezas, loucuras e travessuras... afinal... me disseram que a beleza esta no caos...

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Diário de Bordo - O que me é negado


Parte do tempo eu procuro esquecer
Prefiro acreditar que é assim mesmo e vou levando
Finjo que não percebo a falta, a ausência...
Mas a vida, por vezes, se impõe me mostra sua realidade nua e crua
com seus tons marcados como navalha cortando na carne
Neste instante é impossível negar, fingir, abstrair...
Este amor que me é negado com violência, veemência, crueldade, indiferença...
Transborda incessante em meus poros
Transparece em meus olhos
Como sinal indelével de algo que me pertence
e no entanto me é alienado.
Tirar de alguém o direito divino de amar e ser amado
é como condenar a alma a uma morte em vida
Ao vagar alheio do olhar de quem quer que seja
Alheio a piedade, a caridade, a benevolência...
Tudo isso me tem sido negado....
E mesmo tentado o tempo todo esquecer e suplantar tal fardo
Ainda assim esse amor em meu peito acorrentado
Se faz doce, presente e sincero...
Não sei se sobreviverá ao próximo átimo de consciência
Ao negar algoz de sua existência
A sua não correspondência
E ao infértil ímpeto de se propagar.

16 comentários:

Tatá disse...

Mila, que lindo o que você escreveu. Flutuei aqui agora.
Realmente isso de "tirar de alguém o direito divino de amar e ser amado é como condenar a alma a uma morte em vida".
Não se pode fazer isso, embora ainda o mundo é possúido por "seres" sem alma e desprovidos de certos prazeres.
Lindo, lindo, lindo.
Beijos emocionados

Osc@r Luiz disse...

"Atenção Tirpulação: portas em 'automático'. Decolagem Autorizada!"
Decolei com esse seu texto...
Fico voando por instrumentos.
Beijos, querida!

Erika disse...

"Ainda assim esse amor em meu peito acorrentado
Se faz doce, presente e sincero...
Não sei se sobreviverá ao próximo átimo de consciência
Ao negar algoz de sua existência
A sua não correspondência
E ao infértil ímpeto de se propagar."


Ainda assim este amor em meu peito, teima em queimar.

Beijos Mila. Este seu texto serviu prá mim como uma luva. Obrigada

Anne disse...

"Não sei se sobreviverá ao próximo átimo de consciência
Ao negar algoz de sua existência
A sua não correspondência
E ao infértil ímpeto de se propagar"
Que liiiindo esse texto, Milinha! Não vejo nada de dark side nele, não! Adoro qdo vc escreve desse jeito, fica lindo demais!
Sobreviver a não correspondencia é um dos maiores desafios para o amor, mas acredito que ele sobreviva alheio à nossa vontade!
Qualquer coisa que precisar grita...rs
Bjokas, amei!!!

Luara disse...

Lindo , lindo!
"Tudo isso me tem sido negado....
E mesmo tentado o tempo todo esquecer e suplantar tal fardo
Ainda assim esse amor em meu peito acorrentado
Se faz doce, presente e sincero..."

Este trecho define minha vida agora!

Beijos querida!

Leonardo disse...

Muito bom!

perfeito pro momento que tô passando

ki-colado disse...

Fatidico. Embora me sinta familiar no estranho mundo de Mila. Seria as nuances do amor? Ou seria tudo o que projeta-se como sendo querer o bem? Querendo o bem-maior de todos ser-mos felizes? Houve um dia aquele que quis estar sempre conosco e em todos os lugares onde o amor faltasse. Ele ficou conhecido por Jesus de Nazaré... O Cristo.

Antonio Ximenes disse...

Mila.

Quero brindar ao amor visceral.
Quero gritar em homenagem viva e intensa ao ato de amar em forte torrente tempestade tropical... caindo e destruindo... atropelando e desobstruindo tudo que possa ser um obstáculo ao sentimento.

Lindo.

Grande beijo do teu novo leitor fiel.

CeiSa disse...

"Parte do tempo eu procuro esquecer
Prefiro acreditar que é assim mesmo e vou levando
Finjo que não percebo a falta, a ausência..."

Texto perfeito!
É assim que estou no momento!
Tentando esquecer! Tentando não lembrar!
Pedindo por alguns segundos de amneisa que me abstenha qualquer sentido de amor, de dor... do que passou!
`
Perfeito!

Renata disse...

"é como condenar a alma a uma morte em vida"

Mila, eu sempre digo isso, que a separação é um morte...e algumas vezes até mais difícil de aceitar..

um bjo de vida em vc!!!

Aline e Marcelo disse...

"Tirar de alguém o direito divino de amar e ser amado"

Quem é esse ser asqueroso que faz isso heim heim heim? Diz aí que eu mando dá um trato legal nele! ngm tem esse direito, ngm! [momento revolta da loira. rs...]

Bjm

Aline @-;-

# thiago disse...

Triste, emocionante, lindo e acho que um dos melhores posts q já li por aqui!

Mila, vc é ótima!

beijos

Nilza disse...

A negação é dos piores sentimentos... Poema muito sofrido amiga !! Porém , lindo demais.

Beijos

MUTUMUTUM disse...

Nussss... nem sei o que dizer, pois já tive o desprazer de viver um amor negado, num episódio de minha vida... e tbm já tive o desprazer de negar um amor a uma garota que era caidinha por mim (hj, penso que deveria ter lhe dado uma chance, putz!).

É sofrido, é sofrido. O texto é lindão, parabéns... e essa imagem ajuda a torná-lo ainda mais cruel, mais consistente... parabéns o/

Flávia disse...

Nada é mais triste do que a negativa ao direito de viver um amor...

Seu texto, Mi, me fez pensar, cá com meus botões, se os amores não vividos são amores realmente ou meros coadjuvantes do verdadeiro amor - afinal, amar necessita ser recíproco, não? Ah, não sei... estou muito filosófica hoje (rsrs).

Texto lindo, amiga!

Beijos

quem tecla não chora disse...

Amo a verdade e na maior parte das vezes quem a vive assim não tem a força de a descrever.
Está muito boa a imagem....digo nas palavras...nem sei o k digo...
Ainda sinto isso e quero ultrapassar "o fardo"...tiraram a minha filha de mim qd ela tinha 5 anos....perdi-a....como filha...hoje é uma amiga.Um amor de uma mãe tbm é uma não correspondência,neste caso.Incrivelllllll,o seu texto caber em tantos de nós...e terrível.Parabéns :(.......:)