Bem Vindo ao Meu Mundo Estranho... aqui você não vai encontrar nada que tenha que fazer sentido... pois esta é uma manifestação do meu consciente/inconsciente... id, ego e superego... das minhas alegrias, meus medos, incertezas, loucuras e travessuras... afinal... me disseram que a beleza esta no caos...

sexta-feira, 7 de março de 2008

Contos - Limiar da Sombra - VI

Mais um dia na grande metrópole. Um dia agitado, como outro qualquer. A velocidade e a correria das grandes cidades tinha um poder incrível sobre as pessoas... o poder de tornar a todos comuns... e comum significava não percebido. Era assim que eu passava meus dias. Sem ser percebida, notada. Em meio a massa eu era apenas mais uma e isso servia perfeitamente aos meus propósitos. Não precisaria trabalhar se não quisesse. Mas observar as pessoas em seu dia a dia era algo do qual eu não poderia me privar. Ver o exercício diário da abnegação, a auto-anulação e da perda total do que é realmente prioridade era uma das características mais marcantes de uma grande metrópole. Ali, sentada naquela biblioteca, era possível observar as pessoas, em seus rituais de meditação e concentração, assaltados por devaneios, sonhos e contas a pagar. Em meio aos livros eu me sentia mais uma história. E depois de estar plena, era comum passar um tempo apenas petiscando energias menores, liberadas despercebidamente entre leituras e divagações amargas. E isso tudo era comum, como a história de meus antepassados... ou de meus criadores. Ali, em meio a tantos livros... muitas histórias eram contadas. Muitas alimentavam a imaginação de pobres almas sedentas de um caminho. Muitas contavam falácias sobre como sou. É certo que a verdade não interessa. Ou interessa a poucos. Interessa a mim. Mas a mim não interessa escrever histórias... ou macular a protetora máscara que as histórias teciam sobre mim.

Continua...

5 comentários:

Fabio disse...

Ahhhh! Cadê algo mais intimista sobre o dia dessa grande mulher, cadê???? Beijos e feliz dia para vc! Mulher BATALHADORA!

Paula Calixto disse...

"E depois de estar plena, era comum passar um tempo apenas petiscando energias menores, liberadas despercebidamente entre leituras e divagações amargas"

Em mim: amargas se forem são com sabor de mel. [risos]

Mas a da personagem... Não sei.

Tá se desenvolvendo bem o conto! (;

Beijos e um feliz 08 de março, lindona. (((:

Naeno disse...

QUEM MATA A MULHER

Quem mata a mulher
Destrói o começo
O lado da luz que não se vê
É como se alguém tapasse
O infinito pelo avesso.

Quem mata a mulher
não acaba apenas
o que está em carne
e vida.
Mata todas as certezas
do que há de vir.
Confunde sabedoria e força
Mistura amor e forca
E morre no que mata.

Quem mata a mulher
Conclui o futuro
represa a vocação
e a expressão das flores,
Invalida o Ministério das
Minas e Energia.

Amar é ter coragem
De eternizar.

Uns querem amar
Outros querem à margem.

Um beijo
Naeno

Morgana Jackeline disse...

Oi Mila, bom dia!!!

Vim fazer uma visitinha rapidinha, só pra marcar o ponto! lol
Que a sua semana seja repleta de sucesso, paz e felicidades!

beijinhos..e até...

Oliver Pickwick disse...

E neste, fiquei com gosto de "quero mais".
Estou provando do meu próprio veneno, escrever por partes. Volto no próximo!
Beijos!